10 ações para uma escola melhor

Qualidade da Educação: dez ações para uma escola melhor

  • Universitários bolsistas atuando como professor auxiliar nas séries iniciais de alfabetização para apoiar o professor regente e aprimorar sua formação profissional no ambiente de trabalho.
  • Formação continuada dos professores dentro da própria escola com uso da tecnologia da informação.
  • Distribuição de material de apoio didático-pedagógico para alunos e professores.
  • Avaliação bimestral dos alunos.
  • Estratégia de implantação: Em 2007, na Capital. Em 2008, expansão para a Grande São Paulo, e interior em 2009.
  • Implantação de ciclos de dois anos no primeiro segmento do Ensino Fundamental (1ª a 4ª séries) a partir de 2008.
  • Implantação de ciclos de dois anos no segundo segmento do Ensino Fundamental (5ª a 8ª séries) a partir de 2009.
  • Implantação do Boletim Eletrônico dos alunos, que poderá ser acessado pelos pais através da Internet, em setembro de 2007.
  • Divulgação das propostas curriculares e expectativas de aprendizagem para todas as séries e disciplinas do Ensino Fundamental e Médio em setembro de 2007.
  • Consulta à rede e capacitação dos professores de outubro a dezembro de 2007, com a utilização da estrutura da Rede do Saber.
  • Implantação das orientações curriculares no planejamento pedagógico de fevereiro de 2008.
  • Etapas de recuperação intensiva dos conteúdos curriculares fundamentais: ao final do 1º ciclo (2a série), ao final do 2º ciclo (4a série), na 8a série e no final do Ensino Médio. Implantação: 1º. Semestre de 2008.
  • Adoção de procedimentos, estratégias e ação didático-pedagógica focados na recuperação da aprendizagem e na aquisição de conteúdos e competências requeridos nas etapas seguintes da vida escolar.
  • A partir de uma base comum de conteúdos e competências, o estudante poderá optar por habilitações técnicas profissionalizantes. Implantação a partir de 2008.
  • Oferta, a partir de 2008, da modalidade “técnico em administração” em 20% dos cursos noturnos de Ensino Médio, em parceria com o Centro Paula Souza.
  • Parcerias com o setor privado para certificações parciais em computação e língua estrangeira.
  • Organização do currículo em três níveis, com duração de 200 horas cada, em regime presencial para os professores e semi-presencial para os alunos.
  • Organização da oferta no Ensino Médio com apoio do TELECURSO 2000 + 10 e do TELETEC, em parceria com a Fundação Roberto Marinho e o Centro Paula Souza.
  • Oferta de exames centralizados por meio do ENCCEJA.
  • Parcerias com as prefeituras para oferta do nível I correspondendo ao primeiro segmento do Ensino Fundamental.
  • Política de municipalização de 1ª a 4ª séries com controle de qualidade e supervisão da Secretaria de Estado da Educação, com vistas à implantação do Ensino Fundamental de nove anos, em regime de colaboração com os municípios. Implantação a partir de novembro de 2007.
  • Realização, no próximo mês de outubro, do SARESP 2007 com avaliação das seguintes séries:
    • Ensino Fundamental (1a., 2a., 4a., 6a. e 8a. séries)
    • Ensino Médio: 3a. série
  • A avaliação externa das escolas estaduais (obrigatória) e municipais (por adesão) permitirá a comparação dos resultados do SARESP com as avaliações nacionais ( SAEB e a Prova Brasil), e servirá como critério de acompanhamento das metas a serem atingidas pelas escolas.
  • Participação de toda a rede na Prova Brasil (novembro de 2007).
  • Realização de programas de capacitação da rede para a participação no SARESP e na Prova Brasil, em setembro de 2007.
  • Capacitação dos professores para o uso dos resultados do SARESP no planejamento pedagógico das escolas em fevereiro de 2008.
  • Divulgação dos resultados do SARESP 2007 para todas as escolas, professores, pais e alunos em março de 2008.
  • Implantação de incentivos à boa gestão escolar valorizando as equipes.
  • O SARESP 2005 e as taxas de aprovação em 2006 serão a base das metas estabelecidas por escola.
  • Também serão considerados indicadores como a assiduidade dos professores e a estabilidade das equipes nas escolas.
  • Cada escola terá metas definidas a partir da sua realidade, e terá que melhorar em relação a ela mesma.
  • As escolas com desempenho insuficiente terão apoio pedagógico intensivo e receberão incentivos especiais para melhorarem seu resultado.
  • As equipes escolares que cumprirem as metas ganharão incentivos na remuneração dos profissionais.
  • 100% das escolas com laboratórios de informática;
  • 100% das escolas com materiais de apoio ao ensino de ciências;
  • 100% das salas dos professores com computadores, impressoras e ambiente de multimídia;
  • Atualização e informatização de todas as bibliotecas escolares.
  • Garantia de condições de acessibilidade em 50% das escolas para atender alunos portadores de necessidades especiais.
  • Construção de 74 novas unidades, e reforma e ampliação de 77 escolas ( 417 salas de aula).
  • Extinção das escolas com padrão Nakamura.
  • Recuperação e cobertura de 2.315 quadras de esportes.
  • Implantação de circuito interno de TV para segurança nas escolas.